desacelerar, descansar e descobrir…

Você conhece alguma cidade que tem três ruas?

Uma que vai, outra que vem e uma que vai e vem…

Pois eu conheço e dias atrás minhas filhas foram conhecer, também.

Foi uma viagem mágica. Como se tivéssemos passado três dias fora deste planeta em que vivemos.

Para chegarmos até lá viajamos quase 400km, de carro, passando por inúmeras cidades e belas paisagens que geraram comentários, descobertas, curiosidades e muito aprendizado.

O trajeto começou por cidades conhecidas, lugares já visitados e com direito a passar bem perto da casa de um tio muito especial (que é pai e avô de primos amados!).

Após o trecho já explorado, veio a novidade, o encantamento ao passar por Aparecida (aquela cidade em que muitas pessoas queridas costumam ir rezar e fazer turismo), o deslumbramento ao ver montanhas “que parecem as paisagens que o professor de artes nos mostra, na aula”, a excitação ao conseguir ler Pindamonhangaba na placa da estrada, a delícia do almoço no “restaurante no meio do caminho”, e a felicidade de estar em Minas Gerais, afinal mudamos de estado!

Chegamos no meio da tarde, era quinta-feira, dia útil, e fomos direto para a pousada, que fica no centro da cidade, bem próxima do comércio, dos bancos, da praça e de tudo…  Queríamos nos acomodar e depois explorar aquele lugar tão diferente do nosso. Estacionamos o carro, levamos as malas para o quarto e fomos passear…

As crianças estavam encantadas naquele lugar calmo, com pouquíssimos carros, pessoas que andam a pé e devagar, que conversam com quem passa (com seu delicioso sotaque mineiro!) e nos mostram, já na chegada, que ali o ritmo é outro.

Começamos o passeio com uma volta de reconhecimento, em poucos minutos atravessamos a cidade toda e chegamos até a estação de trem, que naquele dia estava fechada, mas no seguinte nos possibilitou conhecer uma maria-fumaça bem de perto, com direito a “apito barulhento”, “fumaça fedida” e muitas risadas amorosas. 

No final do primeiro passeio, meu pai agradecia emocionado nossa presença e companhia na cidade em que seu pai nasceu e cresceu, que foi cenário de tantas aventuras de sua vida e da história de nossa família. 

Nos dias que estivemos por lá, conhecemos pessoas, encontramos primos, tias, parentes, nos tornamos íntimos do lugar, de suas ruas e dos cachorros que circulam livremente e nos acompanhavam nos passeios.

Desaceleramos, descansamos e descobrimos mais um lugar em que nos sentimos em casa, apesar de ser tão diferente e distante da nossa casa. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *