por que você não é igual a todo mundo?!?

Por que você não é igual a todo mundo?!?

Diversos pais e mães já perguntaram isso aos seus filhos e outros pensaram e não tiveram oportunidade, ou coragem, de verbalizar.

Essa é uma pergunta que nasce cheia de angústia, muitas vezes surge como desabafo outras como agressão e costuma vir em explosão, aquela da preocupação, da frustação, da expectativa de que o filho se enquadre nos padrões de desenvolvimento que estão por aí e foram estabelecidos considerando a média da população e ignorando a existência da diversidade.

Enquanto gestamos um filho, imaginamos como ele será, quais serão suas preferências, com quem vai se parecer, como será seu jeito, … sempre baseados em como gostaríamos que fosse, em nossos desejos.

Muitos pais enquanto esperam a chegada do filhote lêem, pesquisam, estudam sobre desenvolvimento infantil, conversam com todos os conhecidos e querem saber tudo… quando vai andar, falar, se vai dormir bem, se vai aprender a ler depressa, se… e depois que nasce, então… aí aumentam as dúvidas e começam as comparações, é um tal de “com o filho da Fulana foi bem diferente”, “a filha da Cicrana andou mais cedo que a minha”, “a neta da Maricota já sabe ler”… e as dúvidas e angústias surgem e se multiplicam.

De repente, aparece alguém e nos lembra que cada um é cada um, com seu jeito, seu tempo, suas atitudes, suas escolhas … e que com nosso filho não será diferente, ele terá que descobrir seu modo, encontrar seu caminho e suas preferências. E que, por mais que seja difícil e dolorido, seremos obrigados a aceitar que ele nunca será igual a todo mundo, afinal ele não é filho de todo mundo e sim o filho de cada um de nós. 

5 pensamentos em “por que você não é igual a todo mundo?!?

  1. E põe diferença nisso… cada filho se diferencia de um jeito, tendo os mesmos pais e a mesma educação (será?). Quem sabe mais um tema para você?

    • Bru, concordo plenamente com o Sandro! Você deve ter situações em que se sentiu preterida ou favorecida em relação ao seu irmão, não foi? Eu sou a terceira filha e, por isso, sempre fui criada “mais solta”, por diversas circunstâncias. No entanto, o que para as minhas irmãs poderia significar excesso de liberdade (que para elas foi dada com moderação), para mim muitas vezes significava falta de cuidado. Também vejo que é muito complicado e limitador “ser sempre o mesmo pai e mesma mãe”, até porque quando nasce o primeiro filho não sabemos nada de nada, estamos crus e nos enchemos de zelo, cuidados, receios. Com o segundo já sabemos alguma coisa e então a insegurança que nos cercava dá espaço ao “nossa, como eu era boba!”. Já com o terceiro então (no meu caso), tudo fica muito mais leve, mais solto, mais tolerante. E, na minha cabeça, menos dedicado… Bru, antes de escrever um post sobre esse tema tão polêmico te dou duas sugestões: converse com pais de 3 ou mais filhos OU tenha o terceiro você mesma! rs
      Beijos, com amor,
      Mi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *