competência infantil de simplificar

Estava passeando por alguns blogs quando minha filha chegou, se postou ao meu lado e, depois de olhar, perguntou o que estava escrito no cartaz que aparecia numa foto… convidei para que lêssemos juntas, afinal está em fase de alfabetização… após alguns minutos de leitura, conseguimos entender que o que estava escrito era:  “Eu quero a cura do fundamentalismo religioso”.

Ela olhou pra mim, na certeza de seus 6 anos, e disse: “não seria melhor dizer: não quero mais brigas!” e emendou: “chega desse mundo injusto!”. Sorri, olhei pra minha menina e só consegui dizer “você tem razão, meu amor!”.

Como de costume, me encantei com sua fala e, principalmente, com a competência de simplificar. Crianças são muito mais hábeis que nós adultos na arte de dizer o que precisa ser dito, de forma direta e clara.

Alguns dizem que isso acontece porque crianças são incapazes de fazer elaborações mentais, outros afirmam que elas são menos preocupadas em atender as expectativas do interlocutor, existem também aqueles que garantem que a percepção infantil é ingênua e desprovida de preconceitos.

Poderíamos compreender essas explicações, e tantas outras, concordar, discordar e até discuti-las por horas e horas sem fim, porém prefiro aproveitar o aprendizado que ela estimula, de que a simplificação da fala pode ser muito eficiente na transmissão do conteúdo.