competência infantil de duvidar

Nós adultos temos o costume, hábito, pretensão de sabermos muito, às vezes, tudo sobre algum tema. Acreditamos ser possível conhecer por completo determinada matéria, seja ela qual for. Ainda achamos viável, esgotar algum assunto e ser um expert absoluto.. Quanta pretensão a nossa! 

Minha afilhada, fez 7 anos, e dei um dicionário de presente, logo ela começou a brincar de descobrir palavras (yesss! o objetivo era esse mesmo) até que um dia… o seu simples dicionário infantil não tinha a palavra que ela queria conhecer melhor e foi pedir ajuda ao pai, para tranquiliza-la ele garantiu que assim que estivesse lendo com fluência providenciaria uma versão maior, mais completa e com o significado de todas as palavras. Ela inteligente, conectada, atual que é, disse ser impossível existir um livro que tenha tooooooodas as palavras. O pai ainda insistiu que esse dicionário existe e ela mais uma vez duvidou, o pai reafirmou, ela disse que queria ver e minutos depois a conversa terminou. Encerrada a conversa o pai se pegou pensando: “será que tem toooodas as palavras, mesmo?”

Adorei esse episódio! Muito emblemático da nossa evolução, as crianças contemporâneas são mais questionadoras do que nós fomos e também mais conscientes de nossas limitações humanas.

Acho sensacional que a criança não acredite e questione se é possível existir um livro que tem tudo sobre algo quando estamos conectados a uma rede mundial de informações que nos apresenta novidades todos os dias.

Essa competência que as crianças têm de duvidar de nós, mesmo quando confiam inteiramente, me fascina, assim como a possibilidade de (re)descobrir o mundo a partir dos estímulos que elas nos proporcionam.