diferentes, apenas diferentes

Fico intrigada quando converso com alguém que ainda acredita que homens e mulheres podem ser melhores ou piores entre si, simplesmente por serem quem são.

Acredito, desde muito jovem, que homens e mulheres são seres bastante diversos em suas formas de estar no mundo, e quando penso nessa diversidade tenho certeza que são apenas diferentes e nada mais, não são melhores ou piores, mais isso ou aquilo, ou ainda, menos tal do que qual.

Acho muito curioso quando encontro pessoas, ditas instruídas e cultas, que tentam me convencer, por exemplo, de que nós mulheres somos melhores ou mais fortes que os homens porque somos capazes de gerar filhos, que só nós mulheres seríamos capazes de suportar uma gestação e que se dependesse dos homens a humanidade já teria sido extinta. Realmente os homens não tem essa competência, é fato! E quem foi que disse que isso os torna menores que nós????

Será que é mesmo mais importante gerar um filho do que ser capaz de amar um ser ao qual você é apresentado e concretamente não tem nenhum vinculo físico, a não ser a informação de que você é parte responsável pela concepção daquele ser.

Fico imaginando qual a mistura de sentimentos e sensações só um homem pode ter quando é apresentado a seu filho, aquele ser que ele idealizou, ou não, que ele aguardou, ou não, e que de repente lhe é apresentado como sendo obra sua.

Sei, conheço, a emoção e a experiência que eu, mãe, vivi quando minhas filhas nasceram, lembro-me da esquisitice de encontrar aquele ser que esteve dentro de mim e com quem me comunicava por pensamentos e palavras e que me respondia com chutes e cutucões, e que agora estava ali na minha frente, e a partir de então começava uma nova relação comigo, com novos códigos de comunicação.

E tenho certeza que a experiência do pai das minhas filhas é muito diversa da minha, afinal antes ele só interagia com aquele ser através de mim e a partir de seu nascimento eles passaram a ter a relação deles independente de mim.

Esta situação e tantas outras que vivemos no dia-dia me dão a certeza de que somos diferentes sim, e nada mais que isso, apenas diversos.

3 pensamentos em “diferentes, apenas diferentes

  1. Belo blog, Bruna! Li vários textos e estão muito bons. Este, particularmente, me lembrou um poema que escrevi para meu filho :

    Ele é o outro
    Nele o meu amor externado
    minha transformação pelo amor
    ao outro. Minha troca de um dentro
    por um fora de mim

    O olho dele no meu
    Os olhos dele me dizem muito
    Sem ele, o meu amor seria
    apenas (c)ego.

    Bjsandro

  2. Obrigado!
    É mto bom qdo uma mulher acolhe nossa perplexidade e estranhamento frente a aquele ser q dizem ser minha filha, meu filho. Nos primeiros momentos ( horas, dias, anos) antes de nos apaixonarmos e sermos gratos a uma das melhores aventuras da vida, a paternidade. abel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *